domingo, 16 de Janeiro de 2011

Animais em extinçao em portugal

Animais em vias de extinção que habitam em território portugues:

1. O cachalote (açores)


2. O pombo-torcaz (madeira)
3. O lobo ibérico (Norte da Peninsula Ibérica)
4. O lince (serra da Malcata)
5. A Águia-Real (Noroeste de Portugal)

Oceania

Quando se fala da Oceânia pensamos imediatamente na imensa ilha que é a Austrália.
Esta é a zona do planeta que associamos normalmente a animais como os cangurus, crocodilos, tubarões, avestruzes, etc... Mas além destes animais temos muitos mais, além de inúmeras plantas e insectos raros. A Oceania abrange a Austrália, a Nova Zelândia, a Papua Nova Guiné e ainda imensas ilhas no oceano Pacífico (como as ilhas Cook). A grande barreira de Coral ao longo da costa australiana tem uma das maiores concentrações de espécies marinhas do mundo ( Tubarões brancos, serpentes marinhas, etc...).
Mas relativamente aos animais em vias de extinção, não podemos deixar de referir o Diabo da Tasmânia, o Ornitorrinco, etc. Neste continente existe uma preocupação muito grande pelas espécies ameaçadas pelo Homem. O Koala, o Ornitorrinco e o Diabo da Tasmânia estão a ser salvos em reservas próprias por toda a Oceânia.

Nome popular: Diabo da Tasmânia
Nome Científico: Sarcophilus harrisii
Distribuição geográfica: Ilha da Tasmânia.
Habitat natural: Zonas rurais, desertos.
Hábitos alimentares: Animais mortos (carne putrefacta) e quando isto não está disponível o Diabo da Tasmânia comerá a terra que cava, insectos, ovos de pássaro e qualquer coisa.
Tamanho: O comprimento varia de 52 a 80 cm, mais a cauda, que mede de 23 a 30 cm.
Peso: Macho: de 6 a 9 kg; Fêmea: de 4 a 5 kg.
Período de gestação: 21 dias
Número de crias: 3 ou 4
Tempo médio de vida: 7 a 9 anos.
Estado de conservação da espécie: O Diabo da Tasmânia foi caçado durante a colonização por agricultores, que viam os seus galináceos mortos por este animal. Por outro lado, pensa-se que os Dingos são responsáveis pela erradicação do Diabo da Tasmânia da Austrália. Actualmente o Diabo da Tasmânia é uma espécie protegida.

Nome popular: Koala
Nome Científico: Phascolarctos cinerus
Distribuição geográfica: Sudeste e Nordeste da Austrália
Habitat natural: Eucaliptais
Hábitos alimentares: Folhas de eucalipto
Tamanho: O comprimento pode variar entre 60 cm até 80 cm.
Peso: Pode variar entre 7 kg até 12 kg.
Período de gestação: 35 dias.
Número de crias: 1
Tempo médio de vida: 17 anos.
Estado de conservação da espécie: Estes marsupiais encontram-se num processo de extinção que se iniciou com a colonização inglesa na Austrália onde surgiu o culto de caçar e matar Koalas para usar a sua pele. Hoje, a caça não é o maior risco enfrentado pelos Koalas que são mortos por queimadas nas florestas e por falta de árvores que são cortadas pelos lenhadores. Ao perder a sua casa e alimento, os Koalas acabam por se moverem para as cidades, onde são mortos, atropelados em estradas ou por cães.

Nome popular: Ornitorrinco
Nome Científico: Ornithorhynchus anatinus
Distribuição geográfica: Secção oriental da Austrália e ilha da Tasmânia.
Habitat natural: Rios e lagos de água doce, bem como túneis subterrâneos que escava no solo.
Hábitos alimentares: O ornitorrinco é carnívoro e alimenta-se de insectos, vermes e crustáceos de água doce.
Tamanho: 40 cm, mais 13 cm de cauda.
Peso: Chega a pesar, no máximo, 4 kg.
Período de gestação: O ornitorrinco é o único mamífero que põe ovos. O período de incubação dos ovos é de 10 dias.
Número de crias: 2 ou 3 ovos em cada postura.
Tempo médio de vida: 15 anos
Estado de conservação da espécie: A poluição dos rios e lagos tem destruído significativamente a população de ornitorrincos.

Europa

O continente europeu tem vindo a sofrer, ao longo dos tempos, uma enorme transformação na sua paisagem natural. Desde as zonas mais recônditas da Russia até às planicíes de Portugal é possível encontrar uma grande biodiversidade. Assim como a fauna e a flora variam do Norte para o Sul da Europa, da Europa Ocidental para a Europa de Leste, assim também há uma jurisdição não uniforme nos vários países europeus. Cada país tem as suas próprias leis de conservação e protecção da vida animal. Estas leis são insuficientes e muitas vezes omissas o que levou à extinção do Urso-pardo e do Cavalo selvagem, em alguns países europeus.
Ameaçados de extinção estão também o Lobo e o Lince ibérico, outrora abundantes em toda a floresta mediterrânica, mas que só se encontram agora em algumas reservas naturais portuguesas e espanholas.
Temos muito que fazer se queremos apreciar estas e outras espécies.


Nome popular: Lontra
Nome Científico: Lutra lutra
Distribuição geográfica: Vive na Europa, Ásia, porção sul da América do Norte e ao longo de toda a América do Sul, incluindo o Brasil e a Argentina.
Habitat natural: Associada a zonas húmidas, ocorre em águas continentais como rios, ribeiras, pauis, lagoas e albufeiras, em águas salobras como os estuários, mas também nalguns pontos do litoral marinho.
Hábitos alimentares: Possui uma dieta maioritariamente constituída por peixe mas que pode incluir crustáceos, anfíbios, aves e alguns mamíferos consoante a sua disponibilidade e abundância no meio.
Tamanho: Comprimento: 60 cm até 90 cm; mais cauda de 35 a 47 cm.
Peso: 6 kg até 10 kg.
Período de gestação: Cerca de 2 meses.
Número de crias: A ninhada pode ter entre 1 a 5 crias, sendo 2 a 3 o mais usual.
Tempo médio de vida: Vive entre 6 a 8 anos.
Estado de conservação da espécie: Classificada como Vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Entre os vários factores que colocam a espécie em perigo contam-se: a poluição e destruição dos ambientes aquáticos e ripícolas, o uso de pesticidas na agricultura que afecta a qualidade da água dos rios, os atropelamentos e a perseguição directa por parte do Homem devido à concorrência pelo peixe. Há a contar ainda com o facto de a sua pele ter um elevado valor no sector têxtil.


 
Nome popular: Lobo-Ibérico.
Nome Científico: Canis lupus signatus
Distribuição geográfica: Norte da Península Ibérica.
Habitat natural: Florestas.
Hábitos alimentares: A alimentação é muito variada, dependendo da existência ou não de presas selvagens e dos vários tipos de pastoreio presentes em cada região. As principais presas selvagens do lobo são o javali, o corço e o veado, e as presas domésticas mais comuns são a ovelha, a cabra, o cavalo e a vaca. Ocasionalmente também mata e come cães e aproveita cadáveres que encontra.
Tamanho: Comprimento: 1,10 m até 1,40 m; mais 30 a 45 cm de cauda.
Peso: Machos: 30 a 40 kg; Fêmeas: 25 a 35 kg.
Período de gestação: cerca de 2 meses.
Número de crias: 3 a 8
Tempo médio de vida: Vivem um máximo de 15 anos.
Estado de conservação da espécie: As causas do declínio do lobo são a sua perseguição directa e o extermínio das suas presas selvagens. O declínio é actualmente agravado pela fragmentação e destruição do habitat e pelo aumento do número de cães vadios/assilvestrados.

Nome popular: Urso Pardo
Nome Científico: Ursus arctos
Distribuição geográfica: América do Norte, Ásia e Europa.
Habitat natural: São encontrados desde florestas densas a pradarias subalpinas e tundra árctica.
Hábitos alimentares: Omnívoro. Come mel, frutas, insectos, pequenos animais e peixes. Raramente caça gamos, alces e outros animais.
Tamanho: Comprimento: 1 m até 2,80 metros.
Peso: de 80 kg até 600 kg.
Período de gestação: Varia de 180 até 266 dias.
Número de crias: 2 ou 3
Tempo médio de vida: 20 a 30 anos.
Estado de conservação da espécie: A espécie encontra-se ameaçada, entre outros factores, pela destruição do seu habitat natural e pela poluição.

Ásia

É na Ásia que se encontra um dos animais ameaçados de extinção mais conhecidos: o Panda Gigante.
A destruição do habitat natural dos animais, combinada com a poluição têm-se revelado uma mistura "explosiva". A verdade é que, se excluirmos a caça, estes dois factores são os principais responsáveis pela redução significativa de determinadas espécies animais.

Por outro lado, a caça intensiva - seja com vista à obtenção de peles para o mercado têxtil (Tigre, Leopardo, etc.); seja com vista à obtenção de partes dos animais para outros mercados (corno de Rinoceronte para a Medicina Tradicional, marfim de Elefante para o mercado de arte, etc.) ou ainda para consumo humano - tem-se revelado uma perigosa inimiga de muitas espécies animais.

Nome popular: Panda Vermelho
Nome Científico: Ailurus fulgens
Distribuição geográfica: Nepal, no Sikkim, norte da Birmânia e sul da China.
Habitat natural: Principalmente as árvores.
Hábitos alimentares: Alimenta-se de ervas, frutos, raízes e brotos de bambu. Come também insectos e crias de pássaros.
Tamanho: Altura: até 35 cm. Comprimento: até 60 cm; Mais 40 cm de cauda.
Peso: Até 4 kg.
Período de gestação: 90 a 150 dias.
Número de crias: 1 a 4
Tempo médio de vida: 8 a 10 anos.
Estado de conservação da espécie: A espécie encontra-se ameaçada devido sobretudo à destruição do seu habitat.


 
Nome popular: Tigre
Nome Científico: Panthera tigris
Distribuição geográfica: Índia, Manchúria, China e Indonésia. Podem ainda ser encontrados no Afeganistão, Paquistão e Irão.
Habitat natural: O habitat original do tigre foi a Sibéria. Daí espalhou-se pelas estepes geladas, florestas húmidas e bosques.
Hábitos alimentares: Devido à vasta distribuição geográfica, a alimentação do tigre é muito variada. Em geral devora cervos e outros herbívoros, mas quando estes faltam, pode alimentar-se de ursos, na Sibéria, e bovinos, na Índia e Indonésia.
Tamanho: Comprimento: de 1,42 m até 2,60 m. Mais cauda que pode atingir 1 m. Altura: 90cm a 100 cm.
Peso: de 130 kg até 320 kg.
Período de gestação: de 100 a 108 dias.
Número de crias: 1 a 4
Tempo médio de vida: O tempo médio de vida de um tigre é de 20 anos. Em geral, os machos vivem menos que as fêmeas.
Estado de conservação da espécie: A espécie encontra-se em perigo de extinção e actualmente é uma espécie protegida.
Nome popular: Leopardo das Neves
Nome Científico: Panthera uncia
Distribuição geográfica: Entre 3 000 e 6 000 metros, nos Himalaias e nas montanhas do norte da China.
Habitat natural: As montanhas.
Hábitos alimentares: Desde um Yak (que pesa mais de 200kg) até um pequeno veado almiscarado (que pesa somente 10kg). Podem predar aves como o faisão ou as pequenas marmotas.
Tamanho: Comprimento: até 1,50 metro; mais 1 metro de cauda. Altura: até 70 cm.
Peso: Até 80 kg.
Período de gestação: cerca de 90 dias.
Número de crias: Em média 3.
Tempo médio de vida: 20 anos.
Estado de conservação da espécie: Encontra-se em vias de extinção.

América

O continente americano vai desde o gélido Canadá até às terras quentes da Argentina. Neste continente existe uma panóplia de países que têm uma diversidade única no nosso planeta. Aqui podemos encontrar a floresta amazónica, a ela associamos sempre o extenso rio com o mesmo nome e os seus muitos animais e plantas. A Amazónia é de facto o ex-librís das Américas.
Mas é no norte deste continente, que existe o mais rico país do mundo: os E.U.A. Com a sua variedade enorme de animais e plantas, com muitas reservas naturais, (Yellowstone, Montanhas Rochosas, Deserto do Arizona, Everglades, Bacia do Mississipi...) este país tem conseguido salvar alguns animais como o B úfalo, o Puma, os Lobos, etc.
Na zona central temos também de referir a importância de países como a Costa Rica, Honduras ou El Salvador (na preservação de Ocelotes, Pumas, Ursos, etc...).
Na América do Sul o Brasil é de facto o país de referência para quem quer ver no seu estado selvagem o Jaguar, a Arara, o Lobo guará, o Papa-formigas, o Mico-leão, entre outros. Se estes países, de Norte a Sul, conseguirem salvar estas e outras espécies, então será uma vitória para todo o Mundo.


Nome popular: Arara Azul Grande
Nome Científico: Anodorhynchus hyacinthinus
Distribuição geográfica: Norte e Nordeste do Brasil. Vive nas matas do interior do Brasil: Maranhão, Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. Hoje é raro encontrá-la em liberdade. Mas, no interior da Bahia, ainda podemos encontrar alguns espécimes em liberdade.
Habitat natural: Florestas tropicais.
Hábitos alimentares: É omnívora. Alimenta-se de sementes e frutas. Em cativeiro, é comum comer amendoim, girassol, milho verde e frutas.
Tamanho: Até 1,10 metro. É a maior ave da família dos psitacídeos.
Peso: Cerca de 500 g
Período de gestação: O período de incubação dura 30 dias.
Número de crias: Costumam nascer 2 crias de cada vez. São alimentadas pelos adultos, que regurgitam a comida. Elas chegam à idade adulta aos 6 meses.
Tempo médio de vida: 30 anos.  
Estado de conservação da espécie: Esta espécie está em extinção, principalmente devido à destruição do seu habitat natural e à expansão humana para os territórios que antes eram “propriedade” das araras e que agora se “humanizaram”.

Nome popular: Ocelote
Nome Científico: Leopardus pardalis
Distribuição geográfica: Actualmente ocorre em toda a América Latina excepto no Chile. Nos Estados Unidos a espécie foi praticamente extinta.
Habitat natural: Bosques tropicais, pântanos, campos, savanas e regiões alargadas.
Hábitos alimentares: Alimenta-se basicamente de animais silvestres, principalmente de pequenos roedores, mas também de aves, répteis e outros mamíferos.
Tamanho: Comprimento: 90 cm até 130 cm.
Peso: 10 kg até 16 kg.
Período de gestação: Varia de 70 a 80 dias.
Número de crias: 2 ou 3
Tempo médio de vida: De 13 até 17 anos.
Estado de conservação da espécie: A caça intensiva a este animal, motivada pela beleza da sua pele, motivou a redução drástica do número de indivíduos. Com a lei de proibição à caça este comércio diminuiu e hoje a principal ameaça a este felino é a destruição de seu habitat. A espécie é classificada como ameaçada de extinção.

Nome popular: Jaguar
Nome Científico: Panthera onca
Distribuição geográfica: Actualmente está oficialmente extinto nos Estados Unidos. É muito raro no México, mas ainda pode ser encontrado na América Latina, incluindo o Brasil.
Habitat natural: Ocorre em vários tipos de habitat, desde florestas como a Amazónica e a Mata Atlântica, até em ambientes abertos como o Pantanal e o Cerrado.
Hábitos alimentares: Veados, macacos, tapires, aves, répteis, anfíbios, peixe, pequenos roedores, animais domésticos. O Jaguar pode sobreviver alimentando-se de qualquer animal, desde herbívoros até insectos.
Tamanho: Comprimento (incluindo a cauda): 160 cm até 260 cm; Altura: 68 cm até 76 cm.
Peso: Pode chegar aos 135 kg.
Período de gestação: A gestação é de 93 a 105 dias.
Número de crias: 1 ou 2
Tempo médio de vida: 20 anos
Estado de conservação da espécie: A destruição de habitats aliada à caça predatória, devido principalmente ao alegado prejuízo económico causado às criações de animais domésticos, faz com que as populações tenham sido drasticamente reduzidas. A espécie é classificada como vulnerável.

Nome popular: Puma
Nome Científico: Felis concolor
Distribuição geográfica: Américas, desde o Canadá até quase o extremo da América do Sul.
Habitat natural: A Puma prefere viver em lugares de difícil acesso – florestas, desertos e montanhas.
Hábitos alimentares: é carnívora. Alimenta-se de carneiros selvagens, veados e outros animais que caça ao entardecer.
Tamanho: Comprimento: até 2,40 m. Altura: até 63 cm.
Peso: até 100 kg.
Período de gestação: de 86 a 95 dias.
Número de crias: 2 a 3
Tempo médio de vida: 15 anos.
Estado de conservação da espécie: A redução do seu habitat natural, a competição de outros grandes felinos pela caça, a redução do número de animais que constituem a sua base de alimentação e a perseguição movida pelo Homem, na ânsia de proteger os seus rebanhos, colocaram a Puma em risco.

Nome popular: Tartaruga Marinha
Nome Científico: Dermochelys coriácea
Distribuição geográfica: Águas mornas e temperadas ao longo do mundo.
Habitat natural: Águas mornas e temperadas ao longo do mundo.
Hábitos alimentares: A tartaruga marinha alimenta-se de moluscos, algas, crustáceos e carne.
Tamanho: Comprimento: pode atingir os 2 metros.
Peso: Pode chegar até 500 kg.
Período de gestação: 3 meses, período após o qual os ovos eclodem.
Número de crias: De 1 a 2 centenas de ovos por vez.
Tempo médio de vida: Cerca de 180 anos.
Estado de conservação da espécie: A poluição, as redes de pesca em que ficam presas e a procura dos seus ovos pela cozinha asiática têm reduzido significativamente esta espécie.

África

Este é, porventura, o continente que mais associamos à natureza selvagem. De facto, muitos dos animais que vemos em jardins zoológicos e circos (os elefantes, as zebras, os macacos, os leões, etc...) são originários de África.
Mas a caça furtiva tem vindo a diminuir o número de populações no seu habitat natural (as florestas, as savanas e as montanhas deste continente).
Sabemos quais são as espécies mais ameaçadas, mas fazemos pouco para as proteger, se bem que a responsabilidade desta tarefa deva ser atribuída aos governantes, que infelizmente estão mais preocupados com a sua fortuna pessoal, do que com a destruição de grandes extensões de mata selvagem.
Consequentemente, os animais e plantas que ali vivem são os grandes prejudicados.
Existem variadoa animais:

Nome popular: Leão
Nome Científico: Panthera leo
Distribuição geográfica: África, pequena porção na Índia, Balcãs e Grécia.
Habitat natural: Savana.
Hábitos alimentares: é carnívoro. Geralmente as fêmeas caçam e alimentam todo o grupo, mas o macho costuma ser o primeiro a alimentar-se. Quando o macho estiver saciado, as leoas e as crias podem alimentar-se. Da sua alimentação consistem: gnus, zebras, búfalos, gazelas, girafas e antílopes.
Tamanho: Comprimento: 2 m mais a cauda. Altura: 1 m.
Peso: em média 250 kg.
Período de gestação: De 102 a 113 dias.
Número de crias: De 2 a 3
Tempo médio de vida: 20 anos.
Estado de conservação da espécie: Não globalmente ameaçado de extinção, mas vulnerável.


Nome popular: Elefante
Nome Científico: Loxodonta africana (Elefante africano da savana); Loxodonta cyclotis (Elefante africano da floresta).
Distribuição geográfica: África subsariana 
Habitat natural: Savanas e florestas tropicais.
Hábitos alimentares: é herbívoro. Alimenta-se de cerca de 300 kg diários de vegetais. O elefante ingere cerca de 200 litros de água por dia e desloca-se de acordo com a abundância ou escassez de alimento.
Tamanho: 7 ou 8 metros de comprimento e 4 metros de altura.
Peso: em média 7500 kg.
Período de gestação: 22 meses.
Número de crias: 1
Tempo médio de vida: 70 anos.
Estado de conservação da espécie: A caça de elefantes, causada principalmente pelo seu marfim – muito apreciado na China e na Índia, reduziu significativamente as populações de elefantes africanos. Actualmente, o elefante africano está em vias de extinção e têm-se tomado medidas para proteger esta espécie.



Nome popular: Gorila da Montanha
Nome Científico: Gorilla gorilla beringei
Distribuição geográfica: Este do Zaire, Ruanda, Uganda, a altitudes entre os 1600 m e os 4000 m.
Habitat natural: Florestas tropicais secundárias.
Hábitos alimentares: Os gorilas são animais predominantemente herbívoros, alimentando-se de folhas e rebentos.
Tamanho: Macho: média de altura de 1,70 metros; Fêmea: média de altura de 1,50 metros.
Peso: Macho: 160 kg; Fêmea: 90 kg (em liberdade).
Período de gestação: 250-270 dias
Número de crias: 1, gémeos raros
Tempo médio de vida: 35 anos
Estado de conservação da espécie: Esta espécie encontra-se em perigo de extinção, devido à caça e à destruição do seu habitat natural.


Nome popular: Chimpanzé
Nome Científico: Pan Troglodytes
Distribuição geográfica: Ocidente e centro de África, norte do rio Zaire, do Senegal à Tanzânia.
Habitat natural: Floresta húmidas produtoras de frutos. Desde o nível do mar até os 2000 m
Hábitos alimentares: Frutas, cerca de 5% de insectos e pequenos mamíferos.
Tamanho: Macho 77-92 cm; Fêmea: 70-85 cm.
Peso: Macho: 40 kg; Fêmea: 30 kg (em liberdade).
Período de gestação: 230-240 dias.
Número de crias: 1, gémeos raros
Tempo médio de vida: 40 a 45 anos.
Estado de conservação da espécie: Devido à destruição do seu habitat e à caça ilegal de chimpanzés pelo mercado de carne e de animais, pensa-se que restam apenas 150.000 chimpanzés nos bosques e florestas da África Central e Ocidental. Há um século atrás havia aproximadamente dois milhões.

Animais em perigo

Desde que a terra existe, muitas espécies de animais foram desaparecendo, principalmente devido à destruição imposta pelo Homem.
Em todo o Mundo, o tráfico ilegal de animais vivos, floresce. Os coleccionadores privados, laboratórios de pesquisa, lojas de animais, jardins zoológicos, circos e até curandeiros da Ásia são o principal mercado consumidor. É o terceiro maior negócio em contrabando depois das drogas e das armas.
Nos últimos 300 anos provocámos a extinção em massa de milhões de espécies diferentes. Interesses económicos, poluição, crescimento urbano, introdução de espécies mais dotadas em habitats onde não existiam e outras manifestações da nossa “civilização” fazem com que, de 15 em 15 minutos, desapareça para sempre, uma espécie vegetal ou animal.
Queremos com este singelo documento, contribuir para preservar viva a memória dos animais em vias de extinção que talvez os nossos filhos e netos não possam jamais ver em carne e osso.
Escolhemos o "topten" desses animais, divididos geograficamente para facilidade de consulta.